segunda-feira, 30 de junho de 2008

FABRICAÇÃO DE PRESERVATIVOS EM ESCOLAS PÚBLICAS DO BRASIL

Em um país que tem sérias deficiências no sistema de Ensino, seja de nível fundamental, médio ou superior; uma quantidade insuficiente de professores, e muitos deles sem o devido estímulo e dignidade para desempenho da profissão, com baixíssimos salários e falta de infra-estrutura nos prédios escolares. Escolas que não têm nem um computador sequer.



Num país que possui um dos mais baixos índices de satisfação nos resultados do Ensino-aprendizagem, e é um dos que menos lê; onde falta comida e transporte para os alunos; faltam professores e funcionários qualificados; onde não há qualificação profissional nem expecativas de emprego decente para os jovens.



O Governo Federal lança um projeto de fabricação de preservativos em escolas públicas para distribuição gratuita aos alunos.



Leia a matéia extraída da Agência Brasil: "até outubro deste ano, 400 máquinas de preservativos deverão estar disponíveis nas escolas da rede pública. As máquinas já estão sendo construídas por duas escolas técnicas, informou o diretor adjunto do Programa Nacional de Doenças Sexualmente Transmissíveis (DST) e Aids, Eduardo Barbosa".



"De acordo com ele, o custo unitário do projeto-piloto é de R$ 400, em média, 40% mais baixo que o valor de uma máquina no mercado internacional".



“Em princípio, serão priorizadas cerca de 1.500 instituições que fazem parte do Programa Saúde e Prevenção nas Escolas (SPE), mas por meio de um processo de adesão, ou seja, cada escola deve fazer sua solicitação”, explicou o diretor.



"Segundo Barbosa, cada escola ficará responsável pela manutenção e segurança da máquina, assim como a definição do local que será disponibilizado e da estratégia para monitoramento de retirada dos preservativos".



“A expectativa é de que todas as escolas públicas tenham pelo menos uma máquina. No final deste ano, iremos avaliar o uso e a adequação no ambiente escolar, práticas de informação e orientação em torno disso”, disse o diretor.



"Ele explicou que o funcionamento da máquina de preservativo é semelhante ao de uma de refrigerante. O aluno vai ter uma senha ou ficha – que será disponibilizada pela escola – para retirar sua cota semanal de camisinha. A distribuição é gratuita".



"Para Barbosa, a máquina vai atender às reivindicações dos jovens que apontaram essa forma de distribuição como menos constrangedora, já que não é necessário dar explicações cada vez que for retirar a camisinha".



Querem transformar o Brasil num paraíso do sexo!



E depois dissimulam com um falso discurso contrário à Pedofilia, quando são eles que a estimulam.

Um comentário:

eliel disse...

e incrivel como o governo federal se importa mais com o comportamento sexual dos jovens, do que com a educação deles. pois está se gastando dinheiro com uma maquina de preservativos, que poderia ser usado na educação dos jovens, uma infraestrutura para a sua familia etc.parece que eles querem tratar o problema do jeito errado, e do jeito que as coisas estão indo, breve o Brasil se transformará num país em plena desordem.