terça-feira, 16 de setembro de 2008

VATICANO ACEITA EVOLUÇÃO: ROMA SEMPRE A MESMA!

Extraído da Reuters
O Vaticano disse nesta terça-feira (16/09/08) que a teoria da evolução é compatível com a Bíblia, mas não planeja um pedido de desculpas póstumo a Charles Darwin pela fria recepção dada a ele há 150 anos.
O arcebispo Gianfranco Ravasi, o ministro da Cultura do Vaticano, deu a declaração durante o anúncio de uma conferência de cientistas, teólogos e filósofos que acontecerá em Roma em março de 2009, marcando os 150 anos da publicação da obra "A Origem das Espécies" de Darwin.
Igrejas cristãs são há muito tempo hostis a Darwin, pois sua teoria conflitava com a acepção Bíblica da Criação.
Mais cedo nesta semana, um importante membro da Igreja anglicana, Malcom Brown, disse que a instituição devia desculpas a Darwin pela maneira na qual suas idéias foram recebidas na Inglaterra.
O papa Pio XII descreveu a evolução como uma abordagem válida do desenvolvimento humano em 1950 e o papa João Paulo II reiterou o fato em 1996. Mas Ravasi disse que o Vaticano não tinha a intenção de se desculpar por sua visão negativa anterior.
"Talvez devêssemos abandonar a idéia de emitir pedidos de desculpas como se a história fosse um tribunal que está eternamente em sessão", disse, acrescentando que as teorias de Darwin "nunca foram condenadas pela Igreja Católica e nem seu livro havia sido banido".
O Criacionismo é a crença de que Deus teria criado o mundo em seis dias, como é descrito na Bíblia. A Igreja Católica interpreta a acepção do Gênesis literalmente, dizendo que ela é uma alegoria para a maneira na qual Deus criou o mundo.
Alguns outros cristãos, na maioria protestantes nos Estados Unidos, lêem o Gênesis literalmente e protestam contra o fato de a Evolução ser ensinada em aulas de Biologia em colégios públicos.
Sarah Palin, a candidata à Vice-presidência pelo Partido Republicano, disse em 2006 que apoiava que o Criacionismo e a Teoria da Evolução fossem ensinados nas escolas, mas afirmou subseqüentemente que o Criacionismo não deveria necessariamente ser parte do curso.

Um comentário:

cursos de teologia disse...

Isto é muito interessante!!!

Um abraço fraternal!